abertEvora,_Alentejo,_Portugal_from_the_cathedral_roof,_28_September_2005

Évora

Évora e sua região circundante têm uma rica história que recua mais de dois milénios, como demonstrado por monumentos megalíticos próximos como a Anta do Zambujeiro e o Cromeleque dos Almendres.

Segundo uma lenda popularizada pelo humanista e escritor eborense André de Resende (1500-1573), Évora teria sido sede das tropas do general romano Sertório, que junto com os lusitanos teria enfrentado o poder de Roma. O que é sabido com certeza é que Évora foi elevada à categoria de município sob o nome de Ebora Liberalitas Júlia, em homenagem a Júlio César. Na época de Augusto (r. 27 a.C.-14 d.C.), Évora foi integrada à Província da Lusitânia e beneficiada com uma série de transformações urbanísticas, das quais o Templo romano de Évora – dedicado provavelmente ao culto imperial – é o vestígio mais importante que sobreviveu aos nossos dias, além de ruínas de banhos públicos. Na freguesia da Tourega, os restos bem-preservados de uma villa romana mostram que ao redor da cidade existiam estabelecimentos rurais mantidos pela classe senhorial. No século III, num contexto de instabilidade do Império, a cidade foi cercada por uma muralha da qual alguns elementos existem até hoje.

O período visigótico corresponde a uma época obscura da cidade. Na época da dominação muçulmana, a cidade conheceu um novo período de esplendor económico e político, graças a sua localização privilegiada. As muralhas foram reconstruídas e um alcácer e uma mesquita foram construídos na área da acrópole romana.

A tomada de Évora aos mouros deu-se em 1165 pela Acão do cavaleiro Geraldo sem Pavor, responsável pela reconquista cristã de várias localidades alentejanas. Inaugurou-se assim uma nova etapa de crescimento da urbe, que chegou ao século XVI como a segunda cidade em importância do reino.

D. Afonso Henriques concedeu-lhe o seu primeiro foral em 1166, e estabeleceu na cidade a Ordem dos Cavaleiros de Calatrava (mais tarde Ordem de Avis). Entre os séculos XIII e XIV foi erguida a Sé Catedral de Évora, uma das mais importantes catedrais medievais portuguesas, construída em estilo gótico e enriquecida com muitas obras de arte ao longo dos séculos. Além da Sé, na zona do antigo forum romano e alcácer muçulmano foram erguidos os antigos paços do concelho e palácios da nobreza local. A partir do século XIII instalam-se na cidade vários mosteiros de ordens religiosas nas zonas fora das muralhas, o que contribuiu para a formação de novos centros aglutinadores urbanos. A área extramuros contava ainda com uma judiaria e uma mouraria.

O crescimento da cidade para fora da primitiva cerca moura levou à construção de uma nova cintura de muralhas no século XIV, durante o reinado de D. Dinis. As principais praças da cidade eram a Praça do Giraldo (originalmente Praça Grande) e o Largo das Portas de Moura e o Rossio. A Praça do Giraldo, sede de uma feira anual desde 1275, também foi sede dos paços do concelho (desde o século XIV) e da cadeia. Com o tempo, especialmente a partir do século XVI, o Rossio passou a concentrar as feiras e mercados da cidade.

O século XVI corresponde ao auge de Évora no cenário nacional, transformando-se num dos mais importantes centros culturais e artísticos do reino. A partir de D. João II e especialmente durante os reinos de D. Manuel e D. João III, Évora foi favorecida pelos reis portugueses, que passavam longas estadias na urbe. Famílias nobres (Vimioso, Codovil, Gama, Cadaval e outras) instalaram-se na cidade e ergueram palácios. D. Manuel concedeu-lhe um novo foral em 1501 e construiu seus paços reais em Évora, em uma mistura de estilos entre o mudéjar, o manuelino e o renascentista. D. João III ordenou a construção da Igreja da Graça, belo templo renascentista onde planeou ser sepultado, e durante seu reinado foi construído o Aqueduto da Água de Prata por Francisco de Arruda. Nessa época viveram na cidade artistas como o poeta Garcia de Resende, os pintores Frei Carlos, Francisco Henriques, Gregório Lopes, o escultor Nicolau de Chanterene e eruditos e pensadores como Francisco de Holanda e André de Resende.

Em 1540 a diocese de Évora foi elevada à categoria de arquidiocese e o primeiro arcebispo da cidade, o Cardeal Infante D. Henrique, fundou a Universidade de Évora (afeta à Companhia de Jesus) em 1550. Um rude golpe para Évora foi a extinção da prestigiada instituição universitária, em 1759 (que só seria restaurada cerca de dois séculos depois), na sequência da expulsão dos Jesuítas do país, por ordem do Marquês de Pombal. Nos séculos XVII e XVIII muitos edifícios importantes foram reformados ou construídos de raiz em estilo maneirista (“chão”). No património da cidade destaca-se a capela-mor barroca da Sé, obra do arquiteto Ludovice, e os muitos altares e painéis de azulejos que cobrem os interiores das igrejas e da Universidade.

No século XIX, Évora passou por muitas transformações urbanísticas, algumas de discutível qualidade. Na Praça do Giraldo, a cadeia e os antigos paços do concelho manuelinos foram demolidos e em seu lugar foi levantado o edifício do Banco de Portugal, enquanto que a sede do concelho foi transferida ao Palácio dos Condes de Sortelha, na Praça do Sertório. O Convento de S. Francisco também foi demolido (a igreja gótica foi poupada) e em seu lugar foi construído um novo quarteirão habitacional e um mercado. No lugar do Convento de S. Domingos foi erguido o Teatro Garcia de Resende (c. 1892). As muralhas medievais foram em grande parte preservadas, mas das antigas entradas apenas a Porta de Avis foi mantida. No século XX foi construído um anel viário ao redor do perímetro da muralha, o que ajudou na sua preservação.

Évora é testemunho de diversos estilos e correntes estéticas, sendo ao longo do tempo dotada de obras de arte a ponto de ser classificada pela UNESCO, em 1986, como Património Comum da Humanidade.

Locais a visitar no Distrito de Évora, entre outros:

Alandroal, Arraiolos, Borba, Estremoz, Montemor-o-Novo, Mora, Mourão, Portel, Redondo, Reguengos de Monsaraz, Vendas Novas, Viana do Alentejo, Vila Viçosa.

 

Escreva um comentário

DJI_0122 (2)

Convento de São Paulo – Hotel Rural

Erguido a meia encosta da Serra D’ Ossa em por ermitas desejosos de oração e bem-estar, o Convento de São Paulo é hoje um requintado e confortável Hotel Rural. Rodeado […]

IMG_0147

Casas da Fontanheira

As Casas da Fontanheira encontram-se localizadas em pleno Parque Natural da Serra de S. Mamede, junto á fronteira com Espanha, proporcionando assim uma posição privilegiada na Península Ibérica, com boas […]

Topo_ESTATE_HERDADE_BARROCAL_010416_4148

São Lourenço do Barrocal

São Lourenço do Barrocal é um retiro rural, sensível à vastidão da terra que o acolhe e ao legado familiar que lhe está na origem, com um antigo monte alentejano […]

ParaísoEscondido_Exteriores-1

Paraíso Escondido – Living in Harmony

Nascida em Moçambique, Berny Serrão pensou em primeiro lugar no Alentejo como a sua “África roubada”. “A paisagem a perder de vista feita de colinas e céus limpos e noites […]

IMG_3914

Monte do Vale

O Monte do Vale é um monte típico Alentejano restruturado para turismo em espaço rural. O Monte do Vale é um monte típico Alentejano restruturado para turismo em espaço rural. […]

IMG_4210

Monte da Casa Branca

O Monte da Casa Branca fica situado em pleno Litoral Alentejano, entre a aldeia de São Bartolomeu da Serra e as magnificas praias da Costa Vicentina. Outrora este monte foi o local de […]

Malhadinha Nova (45)

Herdade da Malhadinha Nova

A Herdade Malhadinha Nova é um conceito que proporciona experiências temáticas, onde vinho e a gastronomia assumem um papel fundamental, inserido num projeto vitivinícola, dispondo de um hotel de charme […]

ACCOMMODATION (2)

Zmar Eco Experience | Zmonte

Em plena Costa Vicentina, perto das mais belas praias do País, são 81 hectares de ecoturismo: um conceito de bem-estar familiar original, único na sua localização e envolvente, no seu […]

IMG_4795

Casa dos Castelejos

A Casa dos Castelejos surge no final de 2012 como a concretização de um projecto de sonho. Foi uma forma de dar vida a uma casa abandonada , incerida numa […]

rsv55 piscinafolderfrente

Monte Saraz – Turismo de Habitação

Monte Saraz – Turismo Rural é um monte oitocentista restaurado à maneira antiga, que lhe oferece uma estadia repousante e de qualidade, em acolhedoras casas independentes ou em suites, no […]