35_portalegre

Portalegre

Segundo uma lenda frequentemente referida, descrita por Frei Amador Arrais na sua obra “Diálogos” de 1589, Portalegre teria sido fundada por Lísias no século XII a.C., na sequência do desaparecimento da sua filha Maia

Acredita-se hoje que a lenda resultou de fantasias de alguma forma apoiadas na existência de uma lápide com uma dedicatória ao imperador romano Lúcio Aurélio (161-192 d.C.), a qual foi provavelmente trazida das ruínas da cidade romana que se encontra em São Salvador da Aramenha, perto de Marvão, a qual é hoje comummente aceite com sendo a Ammaia romana referida em várias fontes históricas. A localização desta e de outra cidade referida em fontes do período romano, Medóbriga, foi objeto de controvérsia até, pelo menos, ao princípio do século XX, especulando-se até essa altura se existiria algum povoado antigo importante na zona atualmente ocupada pela cidade ou nas suas imediações.

O nome de Portalegre terá origem em Portus Alacer (porto, ponto de passagem, e alacer, alegre), ou mais simplesmente Porto Alegre.

É provável que no século XII existisse um povoado no vale a leste da Serra da Penha. O nome de Portalegre, onde uma das atividades importantes seria a de dar abrigo e mantimentos aos viajantes (daí o nome de porto, ponto de passagem ou abastecimento). Sendo o local aprazível (alegre), nomeadamente pelo contraste das suas encostas e vales verdejantes com a paisagem mais árida e monótona a sul e norte, a povoação prosperou e sabe-se que em 1129 era uma vila do concelho de Marvão, passando a sede de concelho em 1253, tendo-lhe sido atribuído o primeiro foral em 1259 por D. Afonso III, que mandou construir as primeiras fortificações, as quais não chegaram a ser completadas. Juntamente com Marvão, Castelo de Vide e Arronches, Portalegre foi doada por D. Afonso III ao seu segundo filho, Afonso.

O rei seguinte, D. Dinis, mandou edificar as primeiras muralhas em 1290, as quais ele próprio viria a cercar durante 5 meses em 1299, na sequência da guerra civil que o opôs ao seu irmão, que reclamava o trono alegando que D. Dinis era filho ilegítimo. Nesse mesmo ano, D. Dinis concederia a Portalegre o privilégio de não ser atribuído o senhorio da vila «nem a infante, nem a homem rico, nem a rica-dona, mas ser d’ el-Rei e de seu filho primeiro herdeiro».

Após D. Fernando ter morrido em 1383 sem deixar herdeiros masculinos, D. Leonor Teles assumiu a regência do Reino ao mesmo tempo que se amantizava com o Conde Andeiro, um fidalgo galego. Esta situação inquietou grande parte do povo, burguesia e uma parte da nobreza, pois temia-se que esta situação reforçasse as pretensões ao trono português de D. João I de Castela, o qual era casado com D. Beatriz, a filha de D. Fernando e D. Leonor. Esta crise dinástica, que envolveu uma guerra civil com contornos de guerra entre Portugal e Castela, viria a ficar conhecida como a Crise de 1383— 1385. O partido mais forte de entre os que se opunham às pretensões ao trono de D. João de Castela e D. Beatriz apoiava a coroação do Mestre de Avis. Entre os nobres que apoiaram o Mestre de Avis contava-se Nuno Álvares Pereira, irmão do então alcaide de Portalegre, Pedro Álvares Pereira, Prior do Crato (líder da Ordem dos Hospitalários em Portugal), o qual era acérrimo partidário de D. Leonor. Esta posição do alcaide provocou a revolta do povo de Portalegre, que cercou o castelo e obrigou D. Pedro a fugir para o Crato. O ex-alcaide viria a morrer em 1385 na Batalha de Aljubarrota, onde combateu do lado contrário do seu irmão Nuno. A mãe dos irmãos Álvares Pereira, Fria Gonçalves, vivia nesse tempo no “Corro” (atual Praça da República).

A vila foi crescendo em importância e em 21 de Agosto de 1549 foi criada a Diocese de Portalegre, por bula do papa Paulo III, na sequência de diligências nesse sentido por parte do rei D. João III, que elevaria Portalegre a cidade a 23 de Maio de 1550. A importância da cidade nessa época traduzia-se, por exemplo, no volume das receitas do imposto sobre as judiarias, o qual era semelhante ao do Porto, e só era ultrapassado pelo de Lisboa, Santarém e Setúbal. Era também um dos centros de indústria de tecidos mais importantes do país, juntamente com Estremoz e Covilhã.

Portalegre torna-se capital do distrito com o seu nome, aquando da formação dos distritos a 18 de Julho de 1835.

O que visitar:

Museu da Cortiça; Portalegre; Casa; Museu da Tapeçaria de Portalegre Guy Fino; Cortiça; Núcleo; Castelo de Portalegre; Castelo de Alegrete; Portas da antiga muralha (no passado existiam 7 portas (alguns estudiosos falam em 8), das quais só subsistem); Igreja do Bonfim; Sé Catedral (século XVI); Seminário de Portalegre (século XX), inaugurado em 1955; Igreja do Nosso Senhor do Bonfim (século XVIII); Convento de São Bernardo (século XVI), onde desde 2009 funciona a Escola Prática da Guarda Nacional Republicana; Convento de Santa Clara (século XIV), atualmente a Biblioteca Municipal de Portalegre; Convento jesuíta de São Sebastião (século XVII), Fábrica Real de Lanifícios a partir do século XVIII, sede da câmara municipal desde 2005; Capela do Calvário (século XVII ou XVIII); Capela de Sant’Ana (século XVIII);Igreja de São Lourenço

No Distrito

Alter do Chão; Arronches; Avis; Campo Maior; Castelo de Vide; Crato; Elvas; Fronteira; Marvão; Monforte; Nisa; Ponte de Sôr; Sousel

Escreva um comentário

IMG_2644c

Herdade da Maxuqueira

  A Herdade da Maxuqueira é um Monte Alentejano situado no Alto Alentejo, distrito de Portalegre, a cerca de 8 Km do Gavião, a 1h45 min de Lisboa e pouco […]

2

Parque de Natureza de Noudar

O Parque de Natureza de Noudar localiza-se na antiga Herdade da Coitadinha, por ‘detrás-dos-montes’ entre o serpenteado do rio Ardila e da ribeira de Múrtega, encaixado entre cumes e colinas, […]

CasadaMoira_Avis017

Casa da Moira

Aqui, há uma sombra tranquila, um sol quente e uma terra serena. Aqui, para si, há ALENTEJO. Situada no centro histórico da vila de Avis, a Casa da Moira surge […]

0086

Herdade dos Mestres

A Herdade dos Mestres é uma herdade tipicamente alentejana com cerca de 90 hectares, localizada entre a cidade de Reguengos de Monsaraz e a vila raiana do Alandroal, a poucos […]

rsv99 tons da terra 1

Monte Tons da Terra – Casa de Campo & SPA

Localizado perto da aldeia de S. Domingos, nas imediações da Barragem de Campilhas, a meio caminho da etapa Vale Seco » Cercal do Alentejo do Caminho Histórico da Rota Vicentina, […]

MontedoAdail_01 (1400 x 981)

Monte do Adaíl

O Monte do Adaíl está situado entre Porto Covo e Vila Nova de Milfontes, oferecendo dormidas em dois quartos duplos e quatro apartamentos – com tipologias T1 e T2. Com […]

abertura

Torre de Palma Wine Hotel

Localizada entre Évora, Marvão e Elvas, no coração do Alentejo Histórico e Vinhateiro, esta propriedade data de 1338, onde a tradição se mistura com o design…A apenas 2 horas de […]

Topo_ESTATE_HERDADE_BARROCAL_010416_4148

São Lourenço do Barrocal

São Lourenço do Barrocal é um retiro rural, sensível à vastidão da terra que o acolhe e ao legado familiar que lhe está na origem, com um antigo monte alentejano […]

rsv5 imani 1

Imani Country House

A Imani nasce de uma imensa paixão pelo espaço onde está inserida – a Quinta de Montemuro – um local com características únicas na região, repleta de antigos jardins, relvados, […]

Receção

Monte Xisto Hotel Rural

Monte Xisto Hotel Rural: rusticidade e sofisticação no mesmo espaço. O serviço de excelência, a decoração personalizada e a tranquilidade da planície alentejana unem-se num projecto turístico pautado pela qualidade. […]