abertEvora,_Alentejo,_Portugal_from_the_cathedral_roof,_28_September_2005

Évora

Évora e sua região circundante têm uma rica história que recua mais de dois milénios, como demonstrado por monumentos megalíticos próximos como a Anta do Zambujeiro e o Cromeleque dos Almendres.

Segundo uma lenda popularizada pelo humanista e escritor eborense André de Resende (1500-1573), Évora teria sido sede das tropas do general romano Sertório, que junto com os lusitanos teria enfrentado o poder de Roma. O que é sabido com certeza é que Évora foi elevada à categoria de município sob o nome de Ebora Liberalitas Júlia, em homenagem a Júlio César. Na época de Augusto (r. 27 a.C.-14 d.C.), Évora foi integrada à Província da Lusitânia e beneficiada com uma série de transformações urbanísticas, das quais o Templo romano de Évora – dedicado provavelmente ao culto imperial – é o vestígio mais importante que sobreviveu aos nossos dias, além de ruínas de banhos públicos. Na freguesia da Tourega, os restos bem-preservados de uma villa romana mostram que ao redor da cidade existiam estabelecimentos rurais mantidos pela classe senhorial. No século III, num contexto de instabilidade do Império, a cidade foi cercada por uma muralha da qual alguns elementos existem até hoje.

O período visigótico corresponde a uma época obscura da cidade. Na época da dominação muçulmana, a cidade conheceu um novo período de esplendor económico e político, graças a sua localização privilegiada. As muralhas foram reconstruídas e um alcácer e uma mesquita foram construídos na área da acrópole romana.

A tomada de Évora aos mouros deu-se em 1165 pela Acão do cavaleiro Geraldo sem Pavor, responsável pela reconquista cristã de várias localidades alentejanas. Inaugurou-se assim uma nova etapa de crescimento da urbe, que chegou ao século XVI como a segunda cidade em importância do reino.

D. Afonso Henriques concedeu-lhe o seu primeiro foral em 1166, e estabeleceu na cidade a Ordem dos Cavaleiros de Calatrava (mais tarde Ordem de Avis). Entre os séculos XIII e XIV foi erguida a Sé Catedral de Évora, uma das mais importantes catedrais medievais portuguesas, construída em estilo gótico e enriquecida com muitas obras de arte ao longo dos séculos. Além da Sé, na zona do antigo forum romano e alcácer muçulmano foram erguidos os antigos paços do concelho e palácios da nobreza local. A partir do século XIII instalam-se na cidade vários mosteiros de ordens religiosas nas zonas fora das muralhas, o que contribuiu para a formação de novos centros aglutinadores urbanos. A área extramuros contava ainda com uma judiaria e uma mouraria.

O crescimento da cidade para fora da primitiva cerca moura levou à construção de uma nova cintura de muralhas no século XIV, durante o reinado de D. Dinis. As principais praças da cidade eram a Praça do Giraldo (originalmente Praça Grande) e o Largo das Portas de Moura e o Rossio. A Praça do Giraldo, sede de uma feira anual desde 1275, também foi sede dos paços do concelho (desde o século XIV) e da cadeia. Com o tempo, especialmente a partir do século XVI, o Rossio passou a concentrar as feiras e mercados da cidade.

O século XVI corresponde ao auge de Évora no cenário nacional, transformando-se num dos mais importantes centros culturais e artísticos do reino. A partir de D. João II e especialmente durante os reinos de D. Manuel e D. João III, Évora foi favorecida pelos reis portugueses, que passavam longas estadias na urbe. Famílias nobres (Vimioso, Codovil, Gama, Cadaval e outras) instalaram-se na cidade e ergueram palácios. D. Manuel concedeu-lhe um novo foral em 1501 e construiu seus paços reais em Évora, em uma mistura de estilos entre o mudéjar, o manuelino e o renascentista. D. João III ordenou a construção da Igreja da Graça, belo templo renascentista onde planeou ser sepultado, e durante seu reinado foi construído o Aqueduto da Água de Prata por Francisco de Arruda. Nessa época viveram na cidade artistas como o poeta Garcia de Resende, os pintores Frei Carlos, Francisco Henriques, Gregório Lopes, o escultor Nicolau de Chanterene e eruditos e pensadores como Francisco de Holanda e André de Resende.

Em 1540 a diocese de Évora foi elevada à categoria de arquidiocese e o primeiro arcebispo da cidade, o Cardeal Infante D. Henrique, fundou a Universidade de Évora (afeta à Companhia de Jesus) em 1550. Um rude golpe para Évora foi a extinção da prestigiada instituição universitária, em 1759 (que só seria restaurada cerca de dois séculos depois), na sequência da expulsão dos Jesuítas do país, por ordem do Marquês de Pombal. Nos séculos XVII e XVIII muitos edifícios importantes foram reformados ou construídos de raiz em estilo maneirista (“chão”). No património da cidade destaca-se a capela-mor barroca da Sé, obra do arquiteto Ludovice, e os muitos altares e painéis de azulejos que cobrem os interiores das igrejas e da Universidade.

No século XIX, Évora passou por muitas transformações urbanísticas, algumas de discutível qualidade. Na Praça do Giraldo, a cadeia e os antigos paços do concelho manuelinos foram demolidos e em seu lugar foi levantado o edifício do Banco de Portugal, enquanto que a sede do concelho foi transferida ao Palácio dos Condes de Sortelha, na Praça do Sertório. O Convento de S. Francisco também foi demolido (a igreja gótica foi poupada) e em seu lugar foi construído um novo quarteirão habitacional e um mercado. No lugar do Convento de S. Domingos foi erguido o Teatro Garcia de Resende (c. 1892). As muralhas medievais foram em grande parte preservadas, mas das antigas entradas apenas a Porta de Avis foi mantida. No século XX foi construído um anel viário ao redor do perímetro da muralha, o que ajudou na sua preservação.

Évora é testemunho de diversos estilos e correntes estéticas, sendo ao longo do tempo dotada de obras de arte a ponto de ser classificada pela UNESCO, em 1986, como Património Comum da Humanidade.

Locais a visitar no Distrito de Évora, entre outros:

Alandroal, Arraiolos, Borba, Estremoz, Montemor-o-Novo, Mora, Mourão, Portel, Redondo, Reguengos de Monsaraz, Vendas Novas, Viana do Alentejo, Vila Viçosa.

 

Escreva um comentário

IMG_8167

Monte das Mós

O Monte das Mós é um monte típico alentejano inserido num terreno com cerca de 3 hectares. É uma casa de campo com 250m2, despretensiosa, simples, mas ao mesmo tempo […]

NUN_5290

Quinta da Dourada

Situada em pleno Parque Natural de S. Mamede, a Quinta da Dourada é um local privilegiado para quem ama a natureza. Com a estrada mais próxima a cerca de 1 […]

abertura_LC_PHOTO-9800 (1400 x 934)

Herdade das Altas Moras

A Herdade das Altas Moras, antes de ter este nome, era uma aldeia da Idade Média no séc. XV. Tratando-se de um ponto alto com moradias, este lugar era conhecido […]

LC_PHOTO-5235

Casas de Juromenha

Quem chega a Casas de Juromenha é recebido pelo azul brilhante e calmo do rio Guadiana a transformar-se no grande lago – Alqueva, que se estende entre Portugal e Espanha. […]

Malhadinha Nova (45)

Herdade da Malhadinha Nova

Conta-me uma história de encantar. Uma que tenha sabores de azul e amarelo torrado, daqueles que pintam uma tarde infinita onde o tempo se esqueceu de nós e o pôr-do-Sol […]

PSR_2451

Herdade do Touril

A Herdade do Touril está localizada no coração do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina, junto à Zambujeira do Mar, a Herdade do Touril foi remodelada, mas mantém […]

01-Vista Exterior (1400 x 933)

Casa de Santiago

Ficar na Casa de Santiago é viajar no tempo, com os confortos do século XXI, detalhes únicos, experiências exclusivas e momentos irrepetíveis. Mínimo de 2 noites de aluguer. Staff em […]

1PHOTO-2020-05-27-16-38-23-2

Monte da Oliveirinha Country House

O Monte da Oliveirinha está totalmente enquadrado na paisagem tranquila da região do Alentejo, em Portugal. A Oliveirinha combina uma história rica entre um oásis rural e a proximidade de […]

abertura

Quinta das Lavandas

A Lavanda é o grande protagonista da Quinta das Lavandas, um agro-turismo localizado no Parque Natural da Serra de São Mamede, no Alto Alentejo. Na quinta estão plantados, em modo […]

_STV0691 (1400 x 934)

A Serenada Enoturismo

 A Serenada Enoturismo Localizada numa propriedade com 23 ha, dos quais cerca de 5 ha de vinha, A Serenada mantém-se na mesma família há mais de 3 séculos. Apenas a […]

IMG_4795

Casa dos Castelejos

A Casa dos Castelejos surge no final de 2012 como a concretização de um projecto de sonho. Foi uma forma de dar vida a uma casa abandonada , incerida numa […]

95

Herdade da Cortesia Hotel

A 150km de Lisboa, num espirito descomplicado, onde o pequeno-almoço e o checkout não têm horas, foi criada em 2009 a Herdade da Cortesia. Resultado de um grupo de amigos […]

Spatia Club by night

Spatia Comporta

O Spatia Comporta é um paraíso escondido na costa Atlântica de Portugal, onde longas praias s estendem até onde os olhos deixam de ver, apoiadas por pinhais e escarpas de […]

P1010086a (7)

Hotel Solar dos Lilases

O Hotel Solar dos Lilases resultou do exaustivo processo de renovação do velho Solar dos Lilases que foi construído há mais de 100 anos. Depois de uma meticulosa restauração, o […]

IMG_0284

Monte Gois Country House e Spa

Localizado em plena Serra do Mú, o Monte Gois Country House & Spa é um monte alentejano muito pouco convencional que apresenta uma mescla de cores que vão dos tons […]

2

Parque de Natureza de Noudar

O Parque de Natureza de Noudar localiza-se na antiga Herdade da Coitadinha, por ‘detrás-dos-montes’ entre o serpenteado do rio Ardila e da ribeira de Múrtega, encaixado entre cumes e colinas, […]

para o website2

Casa da Moira

Situada no centro histórico da vila de Avis, a Casa da Moira surge da remodelação de uma casa nobre alentejana do séc. XVII. Do alto da muralha medieval de Avis, […]

rsv7 sitepiscina-

Monte Falperras

O Monte Falperras é uma propriedade rural na margem do Lago de Alqueva, no Alentejo, Terra de Paragem, silêncio, Luz e Natureza. A casa recupera a sabedoria das tradições locais, […]

Quinta do Barrieiro3

Quinta do Barrieiro

  A Quinta do Barrieiro é um segredo bem guardado apenas para os que conseguem conviver com a pura natureza e a arte contemporânea. Maria Leal da Costa e José […]

DáLicença1296

Dá Licença

Dá Licença abrange 120 hectares de magníficas colinas, incluindo mais de 13.000 oliveiras, que surgem das rochas do puro mármore branco e rosa. A localização é única, com a sua […]