Furnas: passeios e banhos no vulcão adormecido

Dê grandes passeios e aproveite os banhos no calor do vulcão adormecido. Furnas, Açores

Na cratera de um vulcão adormecido surgiu um vale encantado com caldeiras e fumarolas, nascentes de água quente, jardins mágicos e uma lagoa de paisagens únicas. Venha descobrir este paraíso açoriano onde a terra fervilha mas os dias são serenos.

Texto: N.R.

À volta da Lagoa

Melhor cartão-de-visita não podia haver. Quem chega às Furnas é presenteado com uma lagoa de rara beleza, formada na cratera de um vulcão que colapsou há milhares de anos, ainda ativo, mas adormecido desde o século XVII. A paisagem, dominada pelo verde da vegetação, tem tanto de serena como de exuberante, e ganha ainda mais dramatismo na zona das caldeiras, com águas em constante ebulição e fumarolas que libertam vapores com um intenso cheiro a enxofre.  

O calor produzido nas entranhas do vulcão adormecido é utilizado para confecionar o famoso cozido das Furnas. Qualquer um pode fazer o seu, mas se estiver a pensar nisso lembre-se que demora cinco a seis horas, por isso o mais prático é experimentar este prato típico num restaurante local. Alternativas não faltam, mas já lá iremos, porque antes vale a pena conhecer o Parque Grená, cuja entrada fica mesmo ao lado das caldeiras. Reaberto recentemente, oferece 18 hectares de vegetação frondosa, cascatas, cursos de água e um palacete.

Já na margem sul da lagoa a paisagem é dominada pela emblemática Capela de Nossa Senhora das Vitórias, mandada construir no seculo XIX pelo ilustre micaelense José do Canto. Ao lado da ermida, compondo um cenário de conto de fadas, ficam dois chalés românticos que, provavelmente, já viu em muitos postais ilustrados da região. O que talvez não saiba é que, durante uns dias, pode ter um deles só para si.

Casa da Lagoa

Desenhado pelo francês Gorge Aumont em 1867, também por encomenda de José do Canto, este turismo rural não podia ter um enquadramento mais privilegiado, graças ao manto verde que o envolve e, claro, às margens da lagoa, mesmo em frente, que quase tocam o jardim. A Casa da Lagoa é perfeita para quem gosta de alojamentos cheios de caráter, tem inúmeras histórias para contar, desde os tempos em que começou por ser um pavilhão de pesca até às séries de televisão que a escolheram para cenário.

Hoje, abre portas a hóspedes dos quatro cantos do mundo, com todas as comodidades que os novos tempos exigem, como internet, ar-condicionado e uma cozinha equipada. Oferece um quarto duplo com casa de banho privativa e dois quartos twin, além uma sala de estar e uma de jantar, ambas com vista para a lagoa.

Quem lá dorme, pode contar ainda com outro privilégio: entrada gratuita e acesso direto à Ermida de Nossa Senhora das Vitórias na Mata José do Canto, projetada pelo paisagista francês Barrillet-Deschamps, que assinou (em coautoria) os Campos Elísios, em Paris. Com cerca de 10 hectares, mantém o projeto inicial praticamente inalterado e inclui um jardim com camélias centenárias mais vistosas de janeiro a março, sequoias imponentes e um trilho de fetos que leva à (quase) secreta cascata do Salto do Rosal.


Passeando pela vila

Da lagoa até à pacata povoação das Furnas são apenas 10 minutos de carro, mas vale a pena fazer um desvio pelos miradouros mais próximos, como o do Pico do Ferro, com vistas privilegiadas para a lagoa, ou o do Pico do Milho, mais voltado para os campos verdejantes. Quem preferir, também pode ir a pé, descobrindo o trilho pedestre que leva ao casario.

Também a vila está situada no interior de uma cratera, por isso não admira que por lá se encontrem mais sinais de atividade vulcânica. Mesmo no centro há outro grupo de caldeiras e, de todas, a mais impressionante é a de Pêro Botelho, uma personagem lendária e ruim que, por obra do diabo, caiu neste fundo dos infernos e nunca mais se viu. Mas há quem diga que se chamarmos por ele ainda o ouvimos roncar, vociferando fumo negro contra quem troçar do seu destino.

Mas nas Furnas chega-se do inferno ao paraíso num abrir e fechar de olhos. Falamos agora da Poça da Dona Beija, um conjunto de piscinas termais de água quente (a rondar os 30/40 graus centígrados) que oferece uma experiência ainda mais singular à noite, uma vez que só encerra às 23h00. E se esta nascente termal é perfeita para banhos, outras vão dar aos muitos fontanários que existem pela vila, todos com águas de diferentes sabores e propriedades. Entre elas há mesmo uma “água azeda” que, ao ser aquecida fica roxa. Se gosta de chá, vale a pena experimentar o resultado no Chalet da Tia Mercês, que também serve um surpreendente brunch geotermal.

Já agora, não deixe de provar os bolos lêvedos, típicos das Furnas, à venda por exemplo no mercado junto às caldeiras ou na Padaria Glória Moniz, que os costuma ter quentinhos, acabados de fazer, a várias horas do dia. Para refeições mais compostas, a nossa sugestão é mesmo o emblemático cozido das Furnas – o tal que esteve enterrado mais de cinco horas junto à lagoa – servido em diversos restaurantes da localidade, como o Tony`s, O Miroma ou o Caldeiras & Vulcões.

No parque Terra Nostra

É claro que nenhum passeio pela Furnas pode deixar de incluir a visita ao Parque Terra Nostra, autêntico ex-libris da região e dos Açores. Com origens no século XVIII, altura em que o então cônsul dos Estados Unidos ali mandou construir a sua casa de veraneio, foi considerado pela revista Condé Nast Traveller “um dos mais belos jardins do mundo”. E facilmente se percebe porquê, tal é a diversidade de vegetação, num misto de flora endémica dos Açores e de muitas outras latitudes.

Com largas alamedas, bosques densos, grutas recônditas, lagos com cisnes e várias fontes, este jardim de gosto romântico revela também um grande interesse botânico, ou não tivesse ele uma das maiores coleções mundiais de cycas (plantas muito antigas, em vias de extinção) e uma das mais notáveis coleções de camélias da Europa, com cerca de 800 exemplares. Outra das principais atrações é o grande tanque termal, de águas férreas e temperaturas médias de 38 graus centígrados, que vai beber ao centro da terra para depois nos deliciar.

Entre tanto verde encontram-se também dois edifícios: a Casa do Parque, defronte para a piscina, que chegou a alojar o rei D. Carlos numa das suas visitas à ilha, e o Terra Nostra Garden Hotel, outro ícone das Furnas, exemplarmente integrado nos jardins. Vamos conhecê-lo?

Terra Nostra Garden Hotel

Desde a sua inauguração, em 1935, que o hotel vive numa comunhão perfeita com o Parque Terra Nostra e dela nasceu boa parte da magia deste quatro estrelas. A restante explica-se com a leveza da arquitetura, com a inspiração art-deco da decoração e, mais subtil, mas nem por isso menos importante, com a excelência do serviço, profissional, mas sem perder o trato afável e a hospitalidade tão característica das gentes açorianas.

Tudo junto, fez deste boutique hotel uma referência da hotelaria mundial, com inúmeros prémios internacionais, como os Condé Nast Awards for Excellence ou os World Travel Awards. No total, o alojamento conta com 86 quartos, divididos entre a ala Art-Deco e a Ala Jardim, esta nascida na remodelação e ampliação da década de 1990. Entre os espaços comuns destaca-se a piscina interior aquecida, o SPA e o novo Restaurante TN, que leva à mesa vários pratos tipicamente açorianos, como o cozido das Furnas ou os filetes de abrótea, apresentados com um toque contemporâneo.

Como cereja no topo do bolo, um mimo especial só para hóspedes: acesso gratuito ao Parque Terra Nostra, a qualquer hora do dia e da noite, e em exclusivo a partir das 16h30. Imagine, por isso, a experiência única de acordar já durante madrugada, vestir o fato de banho, descer ao jardim e ter a piscina termal à sua espera. Consegue sentir o chamamento? O Terra Nostra Garden Hotel espera por si.

Sugerimos a leitura dos artigos que complementam o Itinerário sobre os Açores : As maravilhas de São Miguel – Açores – Hoteis de Campo e Dias fantásticos na Ilha Terceira – Hoteis de Campo

Contactos

Onde Ficar

Casa da Lagoa

Morada: Margem sul da Lagoa das Furnas
Tel: 968 039 165
Preço: Desde 120€ / noite

Terra Nostra Garden Hotel 

Morada: Rua Padre José Jacinto Botelho, 5, Furnas, Povoação
Tel: 296 301 880
Preço: Desde 102€ / noite

Onde comer

Restaurante Tony’s

Morada: Largo do Teatro 5, Furnas
Telefone: 296 584 290
Preço médio/ 2 pessoas: 30€

O Miroma

Morada: Rua Dr. Frederico Moniz Pereira, 15, Furnas
Tel: 296 584 422
Preço médio/2 pessoas: 35€

Restaurante Caldeiras & Vulcões

Morada: Rua das Caldeiras, 36, Furnas
Telefone: 296 584 312
Preço médio/2 pessoas: 35€

Restaurante TN

Morada: Rua Padre José Jacinto Botelho, 5, Furnas (Terra Nostra Garden Hotel)
Telefone: 296 549 090
Preço médio/2 pessoas: 50€

Chalet da Tia Mercês

Morada: Rua das Caldeiras S/N
Tef.:
913 535 415
Preço:
30€ brunch geotermal (2 pessoas)

Padaria Glória Moniz

Morada: Avenida Victor Manuel Moniz, Furnas
Tef.:
296 584 570
Preço:
Bolos lêvedos desde 1€

Onde Ir

Parque Grená

Morada: Lagoa das Furnas
Email:
[email protected]
Preço:
10€ (crianças 5€)

Mata José do Canto

Morada: Margem sul da Lagoa das Furnas
Tel.:
914 460 159
Preço:
3€; entrada gratuita para hóspedes da Casa da Lagoa

Poça da Dona Beija

Morada: Lomba das Barracas, 1, Furnas
Tel.:
296 584 256
Preço:
6€ (crianças até 6 anos 4€)

Parque Terra Nostra

Morada: Largo Marquês da Praia e Monfort, Furnas
Tel.:
296 549 090
Preço:
8€ (adultos); gratuito para hóspedes do Terra Nostra Garden Hotel

Newsletter

A Hotéis de Campo publica semanalmente uma newsletter com todos os artigos relacionados com sugestões de viagens em Portugal.

Email Marketing by E-goi

0 0 votes
Article Rating
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments